Bem-Me-Quer
— desde 1953 —

Em 1953, Joaquina Maria Soares Gomes ousa desafiar o status quo português, ao adquirir o trespasse da casa de pasto Côrtes, localizado na Campo das Hortas, nº 5, em Braga. Num Portugal em pleno Estado Novo, em que as mulheres portuguesas eram as que tinham menos direitos entre as mulheres da Europa, este não foi um ato simples. O Código do Processo Civil de 1939 vedava às mulheres o direito ao comércio, à administração de bens e celebração de contratos sem a tutela do marido, e, visto que o cônjuge de Joaquina era funcionário público, não poderia atuar nessa capacidade. Não obstante as dificuldades, a determinada senhora conseguiu a tutela por parte de um cónego e iniciou um processo que resultaria num dos mais famosos restaurantes de Braga, o Bem-Me-Quer. Aprendeu com Eugénia, proprietária e cozinheira do lendário Restaurante Narcisa, a receita do ‘bacalhau à Narciso’, localmente conhecido como bacalhau 'à Braga' e conferiu-lhe um toque pessoal, apelidando-o de bacalhau à Bem-Me-Quer.

Após o seu falecimento, em 1980, Maria Irene Oliveira decide tomar posse do estabelecimento. No início da década de 90, casa com José Dias, experiente em desenvolvimento e comercialização de produtos hoteleiros e desta união nasce não só um investimento pessoal na requalificação e reposicionamento da casa, como também - e bem mais importante - um amor duradouro. O casal teve três filhos, José António, Ana Joaquina e Maria Francisca, todos eles bem inteirados do mundo da restauração e do que o restaurante significava para os pais. José, em particular, tornou-se um apoio imprescindível para o funcionamento da casa ao ocupar-se, já em idade adulta, de questões de logística e comunicação.

A família é, sem dúvida, a estrela desta casa, mas não podemos deixar de mencionar as delícias com que presenteiam a cidade de Braga e a sua diversificada clientela. Além do já mencionado bacalhau à Bem-Me-Quer, servido desde o tempo de Joaquina e ex-libris da casa, temos também as ‘papas de sarrabulho à moda de Braga’, a lampreia, o cabrito assado (oriundo da Cabreia e Gerês), o polvo grelhado com batata e grelos e o arroz de pato, que não dispensa a suculenta carne de porco bísaro na sua confeção. Para os apreciadores de doçarias, duas alegram especialmente as papilas gustativas: o Pudim de Abade e a Sopa Dourada. Estes doces são fruto do génio de Manuel Joaquim Machado Rebelo, nascido a 29 de Março de 1834 e conhecido como Abade de Priscos. As histórias que rodeiam a mítica maleta de que se fazia acompanhar, sempre recheada de iguarias e temperos, eram muitas, mas o grande segredo da culinária do Abade seria mesmo a 'queda' natural para a cozinha e o seu paladar apurado. A cozinha do Bem-Me-Quer não está rodeada de mistérios insondáveis como a maleta do Abade, apenas da certeza que se utilizam ingredientes da mais alta qualidade e a dedicação em providenciar um serviço irrepreensível. Se existe uma dúvida, é qual dos doces é o melhor. O pai José Dias prefere a Sopa Dourada, já o filho, José António é parcial ao pudim. Na verdade os dois são um mimo. Nota final para o acompanhamento líquido de qualquer refeição aqui feita, que de outro modo, se sentiria bastante sozinha. A carta de vinhos é extensa e certamente encontrará o melhor parceiro para o prato escolhido.

O restaurante não tem parado de evoluir e buscar a perfeição, uma atitude que se reflete em José Dias, que tem desenvolvido múltiplas competências através da formação contínua, nomeadamente na Gestão Hoteleira, Cozinha e Mesa/Bar. Para ele, a comunicação entre gentes não passa somente pelo diálogo, mas sim, pela transmissão e perpetuação de práticas que mantêm viva a cultura gastronómica minhota e de Braga. O Bem-Me-Quer participa ainda, regularmente, em importantes eventos, tais como Porti&Norte Português, o Xantar, a Expourense, o Salón Galego das festas gastronómicas, entre outros. A casa já foi premiada como melhor restaurante nos Vinhos do Tejo, em 2014, e recebeu a prata no V Concurso de Vinhos Verdes e Gastronomia em 2011 e 2012, na categoria de cozinha tradicional.

Se ao caro leitor, prémios não disserem muito, então deixe-se guiar pelo paladar. Não há melhor conselheiro!  
Restaurante Bem-Me-Quer

 

2018-12-21T12:29:43+00:00